Depois de fracasso da extensão, rodízio habitual volta a operar em SP

Estendido e em dias alternados na semana passada numa tentativa de aumentar taxa de isolamento social, rodízio habitual retorna hoje na capital paulista

Nesta segunda-feira (18), voltou a funcionar na cidade de São Paulo o rodízio habitual de veículos, como parte do ‘cotidiano‘. Na semana passada, em uma tentativa de aumentar a taxa de isolamento social, o rodízio em esquema de 24 horas e em dias alternados, conforme placa ímpar e par fracassou.

Portanto, a partir de hoje não podem circular na capital, nos horários de 7h às 10h, e de 17h às 20h, placas com final 1 e 2; terça-feira, 3 e 4; quarta-feira, 5 e 6; quinta-feira, 7 e 8; e sexta-feira , finais 9 e 0.

Volta do rodízio habitual

A volta do rodízio habitual se deu pelo fator da taxa de isomento social, decorrente da pandemia do novo coronavírus, ter continuado abaixo de 50%. A taxa ideal para a capital paulista para conseguir conter a disseminação do contágio da doença é de 70%. Por outro lado, a restrição de veículos melhorou o tráfego e a qualidade do ar, mas que levou a uma maior lotação dos meios de transporte público.

Na sexta (15), quinto dia de funcionamento do rodízio 24 horas, a taxa de isolamento foi de 48%, mesmo percentual do sábado (16). Sobre isso, o ex-secretário Municipal de Transportes da capital paulista, Jilmar Tatto tinha dito que esta ampliação era “inerte, ineficaz e irresponsável”. E ainda complementou em entrevista à Rádio Brasil Atual:

“É uma medida insana, porque é a quarentena do carro. No momento que você precisa proteger as pessoas em função do coronavírus, você está protegendo o carro. Você deixa o carro em casa e pede para as pessoas saírem e pegarem o transporte público. Uma medida sem nenhum planejamento, porque não foi combinado com o secretário de Transportes Metropolitanos (do estado).”

Perto do lockdown

São Paulo registrou em dias a morte de cinco crianças, decorrente da covid-19. Na capital, a cada cinco pacientes de coronavírus em UTI, um morre.

Por estes fatores, a cidades se aproxima ainda mais do ‘lockdown’, afirma coordenador do comitê do coronavírus, Dimas Covas.

Prefeito Bruno Covas

Ontem (17), o prefeito Bruno Covas reconheceu o fracasso da ampliação do rodízio e apelou para que a população coopere com o aumento do isolamento social. Hoje, a cidade possui 91% dos leitos de UTI ocupados por pacientes de covid-19.

Na última semana, o estado de São Paulo registrou mais de mil mortes em decorrência da doença. Ontem, o total de óbitos atingiu a marca de 4.782, ante 3.709 do domingo anterior.

Hoje, se o estado de São Paulo fosse um país, seria enquadrado como o 13º “país” com mais óbitos, à frente da China, Turquia, Suécia e Índia.

Fonte: Portal Rede Brasil Atual

*Foto: Divulgação