Niterói recebe três festivais de cinema em setembro

Cidade se torna um polo do audiovisual, apesar da recente crise no setor, além de receber constantes filmagens na cidade, fora os festivais de cinema

A cidade de Niterói, no estado do Rio de Janeiro, contradiz a atual crise do setor audiovisual, em função dos recentes cortes e se firma como um polo para o mercado de cinema. Só neste segundo semestre, o município vai abrigar três mostras de filmes. Além disso, suas paisagens servem de locação para distintas produções cinematográficas.

Polo audiovisual

A cidade serviu de locação para 142 filmagens, rodadas de 2017 até o mês passado, sendo que 45 só em 2019. Esse número firma Niterói como um novo polo audiovisual, que cresce cada vez mais e que fez com que a prefeitura lançasse um edital de fomento ao setor de cinema no ano passado. Com isso, R$ 6milhões fora captados, metade vindo dos cofres municipais e o restante pela Ancine (Agência Nacional do Cinema). O dinheiro viabilizou 39 projetos, sendo que dez deles foram revertidos em eventos da sétima arte. Há previsão de um novo edital para ainda este ano.

Três festivais de cinema

Durante o mês de setembro, o município abrigará três mostras de cinema: Festival de Cinema Universitário (FBCU), 10º CineFoot (filmes sobre futebol) e o 4º Festival de Cinema do Brics. Já no mês passado, a cidade recebeu o festival internacional Cinema sem Diferenças, pela primeira vez realizado no Brasil.

O Festival Universitário de Cinema foi concebido em Niterói em 2013. Porém, por questões financeiras, passou a ser exibido somente no Rio de Janeiro. No entanto, pelo mesmo motivo, a mostra voltou a ser veiculada no município. A mostra será apresentada entre os dias 12 e 18 de setembro, no Cine Arte UFF.

A organizadora do festival, Júlia Couto, reforça ao jornal O Globo, que a união entre a universidade e a prefeitura transforma o município em um local mais atrativo para o cinema:

“Essa parceria precisa ter continuidade para além dessa gestão, para deixar de ser uma política de governo e virar uma política de Estado”.

Incentivos

Em 2019, o curso de Cinema da UFF completa 50 anos e é considerado um dos mais importantes do país. Portanto, esta parceria com o município é boa para os dois lados, com a possibilidade de quem decidir investir no setor audiovisual receber isenção fiscal e, consequentemente, atrair os organizadores de festivais até Niterói.

É o caso do diretor do CineFoot, Antônio Leal, que leva a mostra de futebol à cidade pela terceira vez. O festival que é pioneiro na exibição exclusiva de produções sobre futebol, iniciará hoje (6) mais uma edição, com entrada gratuita, também realizada no cinema da UFF.

Leal conta que a viabilização do festival só acontece por meio de financiamento e que o município de Niterói está vivendo uma ótima fase neste sentido. Vale lembrar que a cidade foi a primeira a sediar uma partida de futebol no estado fluminense e diretor da mostra pretende continuar a exibir o festival na região por um longo tempo.

Cinema internacional

O Festival de Cinema do Brics aporta pela primeira vez no país, com exibições de filmes entre os dias 23 de setembro e 9 de outubro, com noite de abertura também sediada no Cine Arte UFF. Já o restante da programação será apresentada no Reserva Cultural, em São Domingos. A proposta desse festival é conectar os países participantes do grupo de economias emergentes (Brasil, África do Sul, China, Índia e Rússia). Além disso, o evento também vai promover um fórum de negócios, no Centro Petrobras de Cinema.

O organizador do festival, além de professor do departamento de Cinema da UFF, Rafael de Luna, a parceria entre a cidade a universidade é o caminho correto para transformar Niterói num polo do audiovisual. E conclui ainda:

“O Brasil ter se comprometido a realizar o evento coincidiu com o projeto “Niterói, cidade do audiovisual”. Acredito que com a crise no Rio e com o incentivo recente da prefeitura, a cultura do cinema tem tido mais apoio e provocado mais repercussão aqui”.

Fonte: O Globo

*Foto: Divulgação /  Fábio Guimarães / Agência O Globo