Sítio Burle Marx se torna Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro

Sítio Burle Marx conquistou tal título após reconhecimento pela Unesco

Na última segunda-feira (27), foi sancionada a Lei 9.417/21, que concede ao Sítio Roberto Burle Marx, em Barra de Guaratiba, o título de Patrimônio Cultural do Estado do Rio de Janeiro.

Sítio Burle Marx como Patrimônio Cultural do Estado do Rio

A lei, de autoria do deputado André Ceciliano (PT), prevê a realização de ações e convênios para financiamento de obras e ações de manutenção da propriedade pelo Poder Executivo.

Projeto votado em 1º de setembro

O Projeto de Lei foi votado e aprovado pela Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) no dia 1º de setembro. Além disso, no mês de julho, a Unesco reconheceu o Centro Cultural como Patrimônio Mundial da Humanidade. Mas só após um longo e rigoroso processo, que durou cerca de seis anos.

Vale lembrar desta história, iniciada em 1985, quando a gestão da propriedade foi doada ao Governo Federal, que é de responsabilidade do responsabilidade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O espaço

Atualmente, o Sítio Burle Marx conta com mais de 400 mil metros quadrados de área, reunindo em torno de 3.500 espécies de plantas. Além de funcionar, durante 20 anos, como laboratório para o arquiteto e paisagista Roberto Burle Marx. Ele viveu no local até a data de sua morte, em 4 de junho de 1994, seis anos antes do tombamento do centro cultural.

Funcionamento do sítio burle marx

Hoje, o sítio funciona de terça a sexta, às 13h, 13h30 e 14h.

Os visitantes contam com o auxílio de guias, onde os profissionais apresentam as espécies e contam a trajetória de Burle Marx.

A visitação acontece por agendamento via e-mail e a entrada custa R$ 10.

*Foto: Reprodução/Arquivo JBZO Roberto-Burle-Marx