Arte urbana em BH: mostra “Caus” rompe preconceito

Arte urbana em BH terá exposição com participação de grafiteiros, designers, ilustradores e pintores, expondo seus trabalhos na galeria da Escola de Design da UEMG, na Praça da Liberdade

Na terça-feira (19), ocorreu a abertura de uma mostra em arte urbana em BH. O objetivo da exposição “Caus” é romper com o preconceito, barreiras e disputa de territórios. A ideia é dar maior visibilidade a partir de trabalhos de designers, ilustradores e pintores, que moram na Grande Belo Horizonte. As obras poderão ser contempladas no Espaço Cultural da Escola de Design – Uemg, na Praça da Liberdade.

Mostra de arte urbana em BH

A cultura de arte urbana em BH possui 15 metros de extensão e três de largura. Na verdade, o muro já é uma grande instalação que reúne 63 painéis (telas de 1,2m por 80cm), criados exclusivamente para a mostra. Além disso, a mostra é realizada sem apoio de patrocínio, apenas de forma colaborativa. Até dezembro, a iniciativa apresenta uma programação paralela de palestras, vídeos e workshops.

Para Rodrigo Scalabrini, um dos curadores da exposição, ao lado de Rodrigo Ribeiro, a pandemia gerou uma produção artística grande, porém, sem escoamento. Isso porque, em geral, a arte urbana em BH e outros locais não são valorizados.

“Mas quando ele vai para um espaço expositivo, ganha outro caráter.”

Quem são os artistas

Os artistas em questão são nomes emergentes na cena mineira. Contudo, cada um deles terá um minidocumentário, exibido presencial e virtualmente durante o evento.

Título da mostra

Já o título “Caus” é uma provocação, um jeito de desafiar e repensar os estereótipos ligados á arte. Prova disso é que a exposição estará na Praça da Liberdade que é considerado um dos espaços mais importantes da capital.

O curador Rodrigo Ribeiro complementa, dizendo que a ideia também é falar sobre democratização, “mostrar que artistas de rua transitam em vários territórios da cidade e dominam suas ferramentas de trabalho”.

Por outro lado, a arquitetura do antigo prédio do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg), assinado pelo arquiteto Raphael Hardy Filho, é um convite a explorar a ideia de rompimento de fronteiras. Isso porque o edifício envidraçado possibilita que as pessoas que transitam pela região possam admirar as obras dentro da galeria.

Mezanino

Além disso, a mostra terá no mezanino da galeria três instalações de artistas que atuam com temáticas socioambientais. Uma aliança entre arte e natureza, com trabalhos que querem chamar a atenção para a emergência da crise climática, consumo consciente e bioconstrução.

Entre elas está a obra “Planeta Caus”, idealizada pelos curadores em parceria com a artista Vivian Blaso. O trabalho é um globo produzido com materiais naturais (bambu revestido com musgo). Por meio de um tecido vermelho saindo do continente sul-americano, os visitantes têm a impressão de ver um Brasil sangrando por conta da devastação do meio ambiente.

Como foi a abertura

Ontem, a abertura ficou a cargo do artista Homem Gaiola, que realizou um mapping (projeção de imagens em estruturas de grandes dimensões, como fachadas de prédios), e utilizou como tela o próprio edifício da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg).

Serviço

Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) – Rua Gonçalves Dias, 1.434, Praça da Liberdade.
Entrada franca
Até 6 de dezembro
Mais informações no site da Galeria e pelo Instagram

*Foto: Divulgação