Parque Chapada dos Veadeiros implementa melhorias

Para viabilizar melhorias aos visitantes e continuar a manter a região conservada, será cobrado valores de entrada entre R$ 3 e R$ 34

O parque Chapada dos Veadeiros, localizado dentro do município de Alto Paraíso de Goiás e também próximo à cidade de Cavalcante, pretende cobrar taxas a seus visitantes. O objetivo desses valores está ligado a previsão de melhorias no local e ainda manter o real estado de conservação da região caracterizada por suas belezas naturais. O parque também fica perto de Brasília, a exatos 250 km.

No entanto, a novidade sobre as tarifas pode pegar turistas de surpresa que forem para lá passar as férias de julho. De acordo com a administração do local, a cobrança só será realizada após a etapa de pré-operação, que ainda não tem data fixada para ser encerrada.

Chapada dos Veadeiros implementa melhorias

Os preços fixados foram estabelecidos conforme regulamentação da Portaria n°831/2018 do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Sendo assim, para visitantes locais, que inclui residentes de Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul, Nova Roma, São João D’Aliança e Teresina de Goiás, terão de pagar R$ 3.  Os turistas de outras regiões do Brasil serão cobrados em R$ 17. Já quem estiver de passagem pelo parque e for morador de outro país desembolsará o valor de R$ 34. No entanto, os turistas que forem de países do Mercosul, pagarão R$ 26.

SociParques

A concessionária responsável pelos serviços que incluem a visitação ao Parque Chapa dos Veadeiros é a SociParques. Segundo a empresa, as taxas cobradas têm o intuito de promover melhorias ao local. Isto diz respeito a compras de equipamentos, realização de reformas e manutenção da unidade. Com isso, a companhia projeta um investimento de mais de R4 14 milhões para fazer as melhorias necessárias no decorrer de 20 anos em que atuará como concessionária do parque.

Principal destino de muitos viajantes

A Chapada dos Veadeiros é o destino certo de muitos viajantes que região Centro-Oeste do Brasil. Visitada por jovens e também pelos mais velhos, os valores da taxa que serão cobrados em breve gerou opiniões de quem frequenta o parque.

É o caso da jornalista Marcela Costa. A jovem de 26 anos viaja para a Chapada regularmente. Ela afirma que só em 2019 já visitou o local três vezes. Para ela, é um refúgio para se afastar das loucuras de seu trabalho na capital federal. É lá que a jornalista se conecta com sua espiritualidade e contempla a natureza. Em relação às taxas divulgadas, ela confessa que a pegou de surpresa no início. No entanto, agora entende que é necessário para que a região continue conservada e isso inclui o cuidado aos animais desta área.

Já para a analista administrativa de 32 anos, Renata Silva, se os recursos investidos realmente forem destinados a melhorias do lugar, diz que concorda também. Em declaração ao jornal Correio Braziliense, a analista que frequenta o lugar há 10 anos, ressaltou:

“Se for realmente para melhorar as condições do local, acho o preço de R$ 17 tranquilo. Um valor mais alto que isso já seria exorbitante”.

Catracas instaladas e planejamento

Todavia, a SociParque diz que desde final de junho catracas foram colocadas na intenção de tornar a entrada no local mais organizada. Além disso, logo que começarem a praticar as taxas já fixadas, será possível comprar o ingresso com antecedência. Isso é importante, pois o parque só tem capacidade para 750 pessoas, então ficará mais fácil para quem realmente quiser se programar visitar o parque.

Com os recursos arrecadados decorrentes do valor de entrada, a administração pretende realizar reformas. Com isso será expandido o Centro de Visitantes. Também serão feitas obras no alojamento ocupado por voluntários e brigadistas. Além da construção de mais banheiros e ampliação do transporte interno do parque.

Isentos de taxas

No entanto, a cobrança de entrada no Parque da Chapada dos Veadeiros será isenta para algumas pessoas. São elas:

  • Crianças com até 12 anos incompletos, acompanhada por adultos;
  • Visitantes com 60 anos ou mais;
  • Estudantes e acompanhantes de estabelecimentos de ensino, que agendaram visita;
  • Colaboradores ou integrantes de instituições colaboradoras;
  • Populações extrativistas beneficiárias da unidade de conservação;
  • Pesquisadores com aval do ICMBio;
  • Servidores de órgãos públicos em serviço;
  • Guias de turismo que estejam ativos e regularizados pelo Ministério do Turismo e condutores de visitantes cadastrados na unidade de conservação.

Fonte: Jornal Correio Braziliense

*Foto: Divulgação/ SociParques