Ferrovia Vitória-Minas é reaberta a passageiros, por ser segura

Recentemente, a ferrovia Vitória-Minas foi uma das escolhidas como mais seguras do Brasil. Sendo assim, ela voltou a transportar passageiros a partir da semana passada, após uma pausa de três semanas, devido à pandemia.

Ferrovia Vitória-Minas

No dia 12 de abril, o cotidiano dos passageiros acostumados a transitar pela Estrada de Ferro Vitória-Minas voltou ao normal. Portanto, eles puderam percorrer o trecho entre Belo Horizonte e Cariacica (ES). O retorno se deu após uma pausa que gerou medidas mais restritivas no Espírito Santo que resultaram na paralisação do trem.

Além disso, entre as medidas estava a suspensão do transporte interestadual. Isso acarretou também na interrupção da viagem nos trechos da ferrovia em Minas Gerais. A estrada de ferro é operada pela Vale.

Efeitos da pandemia

Contudo, esta não foi a primeira vez que a ferrovia Vitória-Minas teve o transporte de passageiros interrompido durante a pandemia. Em março do ano passado, todas as operações ferroviárias no país foram suspensas, fenômeno que não aconteceu com intensidade nem mesmo durante a Segunda Guerra (1939-1945) ou após a quebra da Bolsa de Nova York (1929). Com isso, apenas os trens urbanos seguiram em funcionamento.

Retomada no segundo semestre de 2020

A ferrovia Vitória-Minas paralisou primeiro em 24 de março do ano passado, retomando as atividades só em 1º de setembro. Mas depois de adotar uma série de medidas para conter o coronavírus.

Sendo assim, houve uma redução de passageiros, limitada a 50% da capacidade dos vagões. Já o embarque foi nas estações do trecho só de quem portar passagem (não haverá venda a bordo). Além disso, houve sinalização das poltronas liberadas para uso, álcool em gel no trem e nas estações e a aferição de temperatura fazem parte do protocolo previsto pela concessionária para a operação do trem de passageiros.

Passagens

Não haverá venda de passagens para o mesmo dia da viagem e a circulação dentro do trem foi restringida ao carro correspondente à poltrona adquirida. Todavia, o carro também não funcionará e o atendimento de pedidos será realizado diretamente nas poltronas.

Percurso

O trem entre Espírito Santo e Minas Gerais percorre diariamente 664 quilômetros de trilhos, em viagem que dura 13 horas.

No trajeto entre os dois estados, percorre margens do rio Doce e passa por trechos de mata atlântica no Espírito Santo e montanhas em Minas. Além de parar em 28 estações na rota.

Operados pela Vale

Os únicos dois trens de passageiros regulares no Brasil são operados pela Vale. Além do trem EFVM (Estrada de Ferro Vitória-Minas), a mineradora opera a Estrada de Ferro Carajás. Esta última que percorre os trilhos entre São Luís e Parauapebas (PA).

Segurança

Ambas as ferrovias foram consideradas as mais seguras do país em 2020, de acordo com o anuário estatístico da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

O órgão compara taxas de acidentes por quilômetro rodado e, quanto menor for o índice, mais segura é a ferrovia. A Vitória-Minas marcou 1,16, enquanto a Carajás, segunda colocada, alcançou 1,59. São os indicadores mais baixos já registrados pela ANTT.

Juntas, as duas ferrovias transportam 59% da carga que circula nas ferrovias brasileiras.

De acordo com a Vale, foram investidos R$ 123 milhões em obras e projetos de segurança ferroviária Estrada de Ferro Vitória a Minas em 2020.

A Carajás foi inaugurada em 1985 e percorre 870 quilômetros de trilhos, passando por 25 povoados e municípios.

*Foto: Divulgação/Vale