Gestão Covas gasta R$ 20 milhões em campanha contra mortes no trânsito

Campanha contra mortes no trânsito teve spot na TV e distribuição de 849 sacos pretos que indica cada óbito em 2018

O início desta semana na capital paulista foi marcada por uma campanha vinculada à prefeitura, onde era possível enxergar vários totens publicitários de pontos de ônibus cobertos por um saco preto com um número gravado em amarelo. A iniciativa do órgão é para evidenciar o índice de mortes causadas pelo trânsito da cidade.

Quem não estava a par da notícia ficou intrigado, principalmente quem passou pelo centro de São Paulo. É o caso do Office boy Luiz Fernando, 26 anos, que se deparou com a inscrição “Vítima nº 814”.

Desde o início desta semana, totens publicitários de pontos de ônibus em São Paulo estão cobertos por um saco preto com um número gravado em amarelo.

Campanha contra mortes no trânsito

A Prefeitura de São Paulo espalhou por toda metrópole 849 sacos pretos como esses vistos pelo office boy. Cada um deles evidencia um dos mortos do trânsito da capital paulista, no ano passado.

Apesar da gestão Bruno Covas (PSDB) ver a ação como chocante, afirma ser necessária para transformar o comportamento no trânsito de São Paulo.

Até o primeiro semestre de 2020, deverão ser investidos R$ 20 milhões em planejamento de conscientização sobre o assunto. Especialistas também apontam que estas tragédias consomem recursos som saúde pública, previdência e perda de produtividade em todo o Brasil.

No ano passado, a cidade registrou 52 mortes a mais do que em 2017, um crescimento de 6,5%.

A gestão Covas pretende encerrar 2020 com o índice de 6 mortes no trânsito a cada 100 mil habitantes. Em 2018, o percentual foi de 6,95 (o indicador nacional é de quase 19).

Slogan

Com início para valer nesta sexta-feira (29), o material exibirá o slogan “Hoje Não! Um movimento pela vida segura no trânsito”.

O objetivo é conscientizar a população de que os acidentes no trânsito podem ser evitados, mas é preciso que as pessoas mudem seu comportamento. Hoje, o prefeito Bruno Covas apresentou a primeira peça publicitária, vinculada à TV, rádio e redes sociais.

O filme publicitário mostra cenas de acidentes de trânsito ao dos versos da música “Sujeito de Sorte”, de Belchior: “Tenho sangrado demais / Tenho chorado pra cachorro / Ano passado eu morri / Mas esse ano eu não morro”.

A locução diz o seguinte: “Transformar o comportamento no trânsito é um exercício diário. Por isso, hoje precisamos ser melhores do que ontem”. Com isso, a propaganda quer que a população não cometa os mesmos de sempre no trânsito.

Propostas

Entre as mudanças propostas pela campanha estão a de não utilizar o celular ao volante; não dirigir após beber e não ultrapassar o limite de velocidade. Já as ações de conscientização passaram pela assessoria técnica da Iniciativa Bloomberg e da organização Vital Strategies.

A campanha deverá ainda ter uma bandeira branca pela paz no trânsito. Elas deverão cobrir pontos públicos já neste fim de semana. Entre os locais, estão a sede da prefeitura e o Theatro Municipal, ambos no centro da cidade.

Até o fim de 2019, a prefeitura projeta colocar 849 cruzes no canteiro central da avenida 23 de Maio, além de outras ações voltadas aos motociclistas, que no ano passado passaram a integrar a listas das vítimas mais frequentes nas vias públicas da metrópole, superando os pedestres.

Ainda haverão ações focadas nos pedestres. Diariamente, pelo menos um motoqueiro e um pedestre morrem em São Paulo.

Menos mortes no trânsito em 2019

A prefeitura apontou em dados preliminares a retomada da tendência de diminuição das mortes no trânsito paulistano. Entre janeiro e setembro, teriam sido registrados 583 óbitos, 5% a menos que na mesma época de 2018.

Entre motociclistas, os óbitos caíram de 259 para 214 neste ano, equivalente a 17%. Já entre pedestres, teve crescimento de 4% das mortes, de 263 para 274.

Sobre isso, Edson Caram, secretário de mobilidade e transporte, atribui o fato da proibição do acesso de motoqueiros à via expressa da marginal Pinheiros (no sentido Castello Branco), como fator de redução das mortes, registrando queda de sete mortes em 2018, para um óbito em 2019, neste trecho da marginal.

Caram ressalta que até o ano que vem a prefeitura planeja implantar avanços de calçadas para dar mais espaço a pedestres e restringir o percurso de travessias e reduzir a velocidade dos veículos em conversões, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde.

Outra estratégia, mas por enquanto engavetada, é a criação de áreas calmas nos bairros de São Paulo. Nestes locais, os motoristas não poderão trafegar a mais de 30 km/h. um dos primeiros projetos elaborados pela CET deve se concretizar no mês que vem.

Fonte: Folha de S. Paulo

*Foto: Divulgação / Rovena Rosa – Agência Brasil