Começa imunização de pessoas com deficiência em Santos

Imunização de pessoas com deficiência física, sensorial e intelectual, com idade entre 18 e 59 anos, sem BPC, já ocorre nos postos de vacinação da cidade litorânea

A Prefeitura de Santos mudou o cotidiano de uma parcela de sua população ao informar na última sexta-feira (11) que começa a cumprir com mais conforto, a nova orientação do Governo do Estado. Sendo assim, está liberada a imunização de pessoas com deficiência (PCD) sensorial e intelectual, com idade entre 18 e 59 anos.

Como será a Imunização de pessoas com deficiência

Vale lembrar que antes apenas podiam se vacinar as pessoas deficientes incluídas no cadastro no Benefício de Prestação Continuada (BPC). Ou seja, que abrange os que estão em vulnerabilidade social – baixa renda.

Vacina Oxford/AstraZeneca

Além disso, a cidade de Santos recebeu 4.445 doses da vacina Oxford/AstraZeneca. De acordo com o Governo do Estado, ela equivale a 50% do total deste público. Já a complementação das doses deve chegar nos próximos dias.

Postos de vacinação

O município do litoral sul paulista conta com 31 postos de vacinação, sendo um drive-thru na Arena Santos, no horário das 9h às 15h. Nos oito postos externos a vacinação ocorre entre 8h e 16h. E nas 22 policlínicas, das 8h às 13 h.

Documentação para IMUNIZAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Todas ter acesso à vacina, todas as pessoas deste grupo devem apresentar documento com foto, CPF e comprovante de residência em Santos. Segundo o Programa Nacional de Imunizações, também deve ser levado ao posto:

  • uma cópia do laudo médico que indique a deficiência;
  • cópia de comprovante de atendimento em Centro de Reabilitação ou unidade especializada;
  • cópia do documento oficial com indicação da deficiência ou cópia do cartão de gratuidade do transporte público.

Informativo da liberação do imunizante causou estresse às famílias

O momento de estresse ocorreu porque as famílias pensaram que do momento do anúncio da prefeitura as doses já estavam à disposição. Portanto, alguns familiares chegaram a levar as pessoas com deficiência nos postos, e receberam a notícia de que ainda não era possível imunizá-las.

Foi o caso de Ivone dos Santos Roberto, que levou seu filho Rodrigo dos Santos Roberto, de 45 anos, e possui coordenação motora insuficiente, além de problemas de fala.

“Fui no Rebouças e se negaram a dar. Estamos à deriva.”

Porém, na parte da tarde deste mesmo dia, algumas pessoas já haviam se manifestado, por intermédio de um grupo no Facebook, que lutava pelo direito à vacinação.

Estas conseguiram se vacinar e passaram a divulgar os locais que já estavam aplicando a dose, entre os quais o próprio Rebouças.

*Foto: Divulgação/Renato Inácio/PMB