Ensino médio retoma aulas presenciais, mas de modo híbrido

Modo híbrido das atividades significa a não obrigatoriedade, com isso as escolas ainda precisam manter ensino remoto

Na manhã de ontem (3), os colégios de São Paulo retomaram suas atividades presenciais para o ensino médio. No entanto, o retorno acontece de modo híbrido, ou seja, a frequência dos alunos deve ser opcional para as famílias. Sendo assim, as escolas ainda precisam manter ensino remoto, tanto na rede municipal como estadual, segundo orientação das respectivas secretarias.

O retorno ocorreu com um terço da turma em sala e o restante em casa. Esta é a primeira liberação para aulas regulares após mais de sete meses de suspensão em razão da pandemia de Covid-19.

Retorno de modo híbrido do ensino médio

O retono às aulas ocorreu no colégio Vital Brazil, no Butantã, zona oeste da cidade, por exemplo. Agora, o modo híbrido de ensino exige que os professores deem aula ao mesmo tempo para quem está na escola e para quem está em casa. Por meio de uma câmera de vídeo em frente à lousa, eles transmitem o que estão ensinando.

Segundo apuração da Folha, na primeira aula de ontem para uma turma de 3º ano do ensino médio, o professor de física Marcelo Barão se adaptava ao novo formato:

“Vocês entenderam? Pessoal da sala? Pessoal em casa?.”

Para ele o modo híbrido de aulas exigirá uma nova adaptação aos professores:

“Passei a aula toda tentando me lembrar de olhar também para a câmera, não só para os alunos que estão aqui. É preciso esse cuidado para não abandonar quem está em casa.”

Opinião das famílias

De acordo com a diretora da escola, Suely Corradini, metade das famílias do ensino médio optou pelo retorno presencial. Ela afirma que muitos pais ainda têm receio por morar também com pessoas de risco ou pela dificuldade desta mudança no cotidiano familiar, faltando muito pouco tempo para encerrar o ano letivo.

No caso da aluna de 17 anos, Gabriela Cavalcante, ela convenceu os pais a retornar às aulas por ter dificuldade em se concentrar nas aulas virtuais:

“Funcionou bem por um tempo, mas em casa falta motivação, estímulo. Não estava mais conseguindo prestar atenção.”

Autorização do prefeito Bruno Covas

Mesmo que o prefeito Bruno Covas (PSDB) tenha autorizado o retono às aulas presenciais, muitas escolas optaram por não retomar as atividades. Isso inclui colégios particulares, como: Bandeirantes, Móbile, São Domingos, Santa Maria e Santa Cruz. Todos eles decidiram manter o ensino remoto e só ter atividades extracurriculares de modo presencial.

O diretor do colégio Bandeirantes, Mauro Aguiar, explica que a dificuldade com o modo híbrido de ensino também influenciou a decisão.

“Fazer o professor dar aula ao mesmo tempo e nos dois modelos (ao vivo e online) não me parece uma boa opção. Nem para o professor e nem para o aluno. Vamos ter de achar ainda um novo formato para o próximo ano.”

Retorno de outras escolas particulares

Em contrapartida, apesar do pouco tempo para acabar o ano, a direção do colégio Rio Branco decidiu que era importante iniciar o modo híbrido de ensino. Além de oferecer o suporte presencial aos alunos ainda neste ano. Na escola, os professores passaram a dar aula ao vivo e online.

Contudo, a solução para os professores que fazem parte do grupo de risco foi eles transmitirem as aulas de suas casas para os alunos em sala de aula, por meio de um telão. Para o diretor do Rio Branco, Renato Júdice, será necessário um tempo de adaptação:

“É a segunda mudança na forma de dar aula em menos de um ano. Aprendemos a dar aula online. Agora, temos de aprender a fazer o online junto com o presencial e acredito ser ainda mais desafiador.”

Desafios

O diretor complementa que para os professores conciliarem as demandas dos alunos à distância e dentro de sala será um desafio:

“Acredito que vamos nos adaptar, porque o estudante que está na escola ajuda o professor, estimula quem está em casa a participar.”

Rede municipal e estadual

Por fim, Covas decidiu que todas as escolas da rede municipal com turmas de ensino médio terão de reabrir. Para as demais fases, os conselhos escolares é que estavam decidindo sobre o retorno.

De acordo com a prefeitura, somente nove unidades municipais atendem o ensino médio. Sendo assim, há 2.400 estudantes, o que equivale a 0,6% de todos os jovens matriculados nesta fase de ensino na capital paulista.

Já na rede estadual, há 317 mil alunos no ensino médio, o que corresponde a 79% das matrículas. As unidades também foram autorizadas a retornar às aulas presenciais. Porém, o governo estadual não divulgou quantas escolas se programaram para a retomada.

*Foto: Divulgação/Zanone Fraissat/Folhapress