Porto Digital investe na economia digital local

O parque tecnológico Porto Digital, no Recife procura ampliar seu projeto pioneiro de desenvolvimento econômico, restauração do patrimônio histórico e impacto social em 2020, apesar de diversos desafios que enfrentam atualmente. A iniciativa, que é uma das ideias mais bem-sucedidas de ecossistema de inovação do Brasil, mira na economia digital com investimento em talentos locais.

Economia digital local

O Porto Digital é referência em produção de softwares e serviços de alta tecnologia. Localizado no Recife Antigo, o parque tecnológico abriga mais de 11 mil pessoas que atuam nas mais de 330 instituições isnataldas, entre as quais: Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e Accenture.

Além disso, o distrito abriga empresas com presença global como a Neurotech, especializada em inteligência artificial; a Tempest, companhia de cibersegurança que atende grandes bancos e empresas de mídia, e a In Loco, que fornece inteligência a partir de dados de localização.

Os empreendimentos instalados no parque tecnológico geram um faturamento anual de R$ 2,3 bilhões e o cálculo é que mais de 3 mil vagas de emprego serão criadas este ano, desenhando cada vez mais uma economia digital. Porém, esta meta pode ser adiada, em vista da pandemia.

Sobre o ambiente de inovação que o local proporciona, Bruno Schwambach, secretário de desenvolvimento de Pernambuco, declarou à Forbes Brasil:

“O ambiente de inovação faz parte do alinhamento estratégico e das nossas metas para 2035; é uma das cadeias produtivas que será apoiada, dada a relevância que o Porto Digital tem para a economia do estado.”

Destaques

Entre os destaques de projetos liderados pela gestão do Porto Digital incluem a Portomídia, braço de economia criativa do parque tecnológico; o Laboratório de Objetos Urbanos Conectados (LOUCo), ambiente para experimentação, desenvolvimento e prototipagem em fabricação digital e internet das coisas (IoT); e o festival anual de conhecimento REC’n’Play, geralmente realizado nos prédios e ruas do centro histórico do Recife e que em 2019 atraiu 35 mil inscritos para os quatro dias de evento.

Vale lembrar que no fim de outubro de 2019 foi assinado um acordo de implantação entre o Porto Digital e a Urbana-PE (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco). A parceria gerou o Laboratório de Inovação Digital em Mobilidade Urbana.

Local para firmar negócios

É comum os empreendedores de startups de base tecnológica firmarem negócios em reuniões realizadas em alguns dos cafés e bares, situados no Porto Digital, como o Mia, Sansa, Liberal, rooftop Cais doSertão. Muitos deles estão instalados em prédios históricos, que antes estavam em ruínas.

O distrito de economia digital foi concebido com base no conceito de walkability, ou seja, a ideia é que o trajeto de um ponto a outro não leve mais que 15 minutos a pé.

Sobre a pandemia do novo coronavírus que assola o país e o mundo, Claudio Marinho, um dos conselheiros e criadores do Porto Digital, revela que a comunidade local que estava acostumada a se reunir sente o impacto do isolamento social.

No entanto, os atores do ecossistema dialogaram virtualmente, com iniciativas como desafios, na intenção de aplicar a tecnologia aos problemas gerados pela Covid-19, afirma Marinho:

“Nosso esforço coletivo online é muito mais eficiente justamente pelo ecossistema presencial, que nos uniu na criação de relações de confiança muito sólidas.”

Fonte: Forbes Brasil

*Foto: Divulgação